Presos perigosos não podem ficar no interior, diz secretário

Após participar, na manhã desta segunda-feira, dia 04, de ações do programa Goiás na Frente, em Rio Verde, o secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária, Ricardo Balestreri participou, ao lado do governador Marconi Perillo e do vice-governador José Eliton, de encontro com representantes de segmentos organizados, na sede da Associação Comercial, Industrial e Serviços de Rio Verde (Acirv).

Balestreri anunciou a adoção de nova modelagem do sistema prisional em Goiás. Segundo ele, os estudos determinados pelo governador já estão prontos. “Nós temos hoje toda uma modelagem do sistema penitenciário pronto e sendo enviada pelo governador à Assembleia Legislativa. Com essa proposta, vamos colocar em prática algo inédito no país: cumprir o que a lei de execuções penais determina que é a manutenção de presos mais perigosos em presídios mais robustos e os presídios menos robustos sendo preservados para aqueles presos com maior possibilidade de recuperação”.

Segurança pública sem modelagem

Sobre a remodelagem do sistema, ele lembrou que o compromisso é exatamente o que pediu o governador, ou seja, envidar todos os esforços possíveis na busca de recursos para somar aos já alocados pelo programa Goiás na Frente, para viabilizar o novo projeto. “Qual é o grande drama do sistema prisional no Brasil? É um sistema sem modelagem. Em Goiás, por exemplo, nós temos 142 presídios o que é uma coisa absurda. Precisamos reduzir isso a algo em torno de 50 unidades, na linha em que sugeriu o governador: presídios de padrão internacional, com capacidade entre 300 e 500 presos, que é um padrão mundialmente aceito”.

“Muito em breve já teremos cinco terminais robustos que estão em fase final de construção”, disse, referindo-se às unidades prisionais de Águas Lindas de Goiás, Anápolis, Formosa, Novo Gama e Planaltina. “Há um processo de negociação também com o Departamento Penitenciário Nacional (Depen), para que o governo federal disponibilize mais recursos para o nosso sistema prisional. Ele, o governo federal, tem se omitido bastante sob o ponto de vista do repasse de recursos, o que faz com que intensifiquemos a pressão”, ressaltou Balestreri.

Comunicação Setorial Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP)

Share Button

você pode gostar também Mais do autor