Publicado em: qua, fev , 2017

Prefeitura pode gastar mais de R$ 800 mil com comissionados, diz vereador


A reforma administrativa do governo da cidade de Jaraguá, discutida previamente por alguns vereadores na sessão desta terça-feira (14) rendeu várias conversas nos bastidores.

No decorrer do dia houve boatos de que a reforma administrativa iria tirar alguns direitos dos servidores efetivos, como quinquênio e salubridades.

Em nota, a assessoria do prefeito Zilomar de Oliveira (PSDB) informou que tudo era apenas um boato sem fundamento, e que a reforma administrativa que será enviada à Câmara trata sobre cargos e nomenclatura.

Segundo o vereador Breno Leite (DEM), a prefeitura deve destinar mais de R$ 800 mil para o pagamento de servidores comissionados, representando cerca de 20% do orçamento, na ordem de quatro milhões de reais, projeto que também consta na reforma.

Outro ponto detalhado por Breno Leite foi a questão do projeto que trata sobre a criação de cargos para a previdência dos servidores públicos municipais, (Previ) que, para ele, deveriam ser ocupados por servidores efetivos, e não comissionados, também constante na reforma.

No mesmo discurso, os demais vereadores que usaram a tribuna disseram que a reforma administrativa não vai prejudicar os servidores efetivos em seus direitos adquiridos.

Neste segundo mês de gestão do prefeito Zilomar, centenas de servidores públicos tiveram alguns benefícios cortados de seus salários, como salubridade e periculosidade.

Para a base governista na Câmara, os benefícios cortados foram de servidores que ganhavam sem a real necessidade, como é o caso de alguns funcionários que tinham incorporados nos salários salubridades e periculosidade sem trabalhar em ambiente de risco, como no administrativo, por exemplo.