Publicado em: dom, mar , 2017

PM frustra assalto a transportadora e prende nove pessoas em SP


A Polícia Militar de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, prendeu nove pessoas na manhã deste domingo (5), além de apreender fuzis, pistolas, coletes à prova de balas, bloqueadores de celular e rádios que seriam utilizados em um provável assalto a uma empresa de transporte de valores na cidade.

Ninguém ficou ferido na ação e quatro veículos também foram apreendidos, sendo um deles blindado.

Os criminosos foram localizados em uma operação comandada pela inteligência da Polícia Militar em parceria com o Comando de Polícia do Interior 3, que responde pela região. A ação ocorreu em uma avenida da zona leste de Ribeirão Preto.

De acordo com o major da PM Fernando Aparecido de Souza, o grupo era monitorado desde sexta-feira (3), após uma denúncia anônima. Segundo o major, eles deixaram a capital paulista na noite de sábado com o objetivo de fazer a ação criminosa e foram acompanhados durante todo o trajeto pela PM. “Vimos até as paradas do grupo para alimentação”, disse.

Segundo a polícia, os detidos admitiram a intenção de assaltar a unidade da Protege, que fica na zona sul da cidade. A ação deveria acontecer no fim de semana ou na madrugada da segunda-feira (6), ainda de acordo com a PM. Se fosse executado, seria o segundo assalto de grandes proporções a empresas de transporte de valores na cidade em menos de um ano.

A PM chegou a divulgar que os criminosos haviam alugado uma chácara em Serrana, cidade vizinha a Ribeirão Preto. Houve uma investigação no local, mas a informação sobre o aluguel não foi confirmada.  A ocorrência foi registrada na Central de Flagrantes e os integrantes da quadrilha foram enviados ao CDP (Centro de Detenção Provisória) de Ribeirão Preto. A polícia segue fazendo buscas na região.

Mega-assalto

Em 4 de julho do ano passado, cerca de 40 homens, segundo estimativas da PM, participaram do assalto à empresa de transporte de valores Prossegur. Na ocasião, R$ 51 milhões foram levados da sede da empresa, que fica no bairro Campos Elíseos, um dos mais populosos da cidade.

Na fuga, três veículos usados pelo grupo foram queimados e outros sete abandonados em um canavial. Duas pessoas morreram, sendo um policial militar e um morador de rua. Com armamento pesado, os assaltantes trocaram tiros com a polícia e causaram um cenário de guerra na cidade.

Até o momento, apenas oito pessoas foram identificadas e indiciadas pelo crime. Em duas ações penais, os réus respondem por organização criminosa armada, latrocínio múltiplo, entre outros delitos que, somados, ultrapassam os cem anos de prisão. A Polícia Militar não descartou que o grupo tenha relação com o assalto anterior. O caso será investigado.

Do UOL