Publicado em: dom, fev , 2017

Deputados aprovam o fim do horário de verão em Goiás


O fim do horário de verão em Goiás foi aprovado, em definitivo, na Assembleia Legislativa de Goiás (Alego). O projeto, de autoria do deputado Luis Cesar Bueno (PT), seguiu para sanção do governador Marconi Perillo (PSDB).

A votação ocorreu na última terça-feira (21). Segundo o deputado, a medida já foi enviada para análise do governo estadual. A assessoria de Perillo destacou que, até sexta-feira (24), ainda não havia informações se ela já tinha sido recebida. De qualquer forma, ressaltou que o governador terá 15 dias para sancionar ou vetar o projeto.

De acordo com Bueno, apesar da alegação de que o horário de verão visa uma economia energia, a população e as atividades econômicas das cidades sofrem diversas consequências. Assim, para ele, a medida não é benéfica.

“Existe uma cobrança muito grande da sociedade, dos empresários e trabalhadores, sobre o assunto. Sempre vi cobranças aos políticos em relação ao horário de verão. Além disso, analisei a questão do prejuízo ao relógio biológico das pessoas, o que é comprovado cientificamente. Também existe a questão da economia, que, apesar de ser a principal alegação, praticamente não existe. Tanto que apenas nove estados e o DF continuam aderindo”, afirmou.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da Companhia Energética de Goiás (Celg), na semana passada, para solicitar os dados sobre a economia no último horário de verão em Goiás, que ocorreu entre os dias 16 de outubro do ano passado a 19 de fevereiro deste ano. No entanto, por telefone, o órgão informou que não tinha tal levantamento.

O deputado destacou, ainda, que não existe obrigação por lei para que os estados adotem o regime e que cada governo local pode reger sobre a questão.

“O que existe é um decreto do presidente com essa recomendação. Assim, fui analisar os motivos pelos quais vários estados deixaram de seguir o horário de verão, como a Bahia e o Tocantins, por exemplo. Esses locais analisaram que a mudança afeta as atividades econômicas, o funcionamento dos órgãos públicos e das instituições de ensino. Como essa questão deve ser de responsabilidade do estado e município, cabe a cada local analisar se ele é benéfico ou não. Assim decidi propor a mudança em Goiás”, destacou.

Bueno, que também é vice-presidente da União Nacional dos Legisladores e Legislativos  Estaduais (Unale), destacou que outros estados estão se mobilizando para deixar de seguir o horário de verão.

“Essa é uma tendência nacional e, em breve, outros locais vão legislar a respeito. O que vale ressaltar é que, caso o governador Marconi Perillo vete o projeto, ele voltará para apreciação na Assembleia, onde, em nova votação, os deputados poderão derrubar essa negativa. Assim, essa questão está nas mãos dos parlamentares”, ressaltou.

Do G1

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail